Enchentes na Europa Ocidental em julho de 2021
Países afetados pelas enchentes
Data 13 de julho de 2021 – presente
Vítimas 217 (total)
  • 177 na Alemanha[1]
  • 37 na Bélgica[2]
  • 1 na Itália[3]
  • 1 na Áustria[4]
  • 1 na Romênia[5]
Áreas afetadas Alemanha, Áustria,[6] Bélgica, Luxemburgo, Países Baixos, Itália, França, Suíça, Reino Unido,[7] República Checa, Croácia, Romênia

As enchentes na Europa Ocidental em julho de 2021 afetaram vários países da Europa Ocidental, com particular gravidade na Alemanha, Bélgica, Luxemburgo e Países Baixos. Desde 14 e 15 de julho de 2021, várias rios transbordaram dos seus leitos, nomeadamente o rio Ahr na Renânia do Norte-Vestefália, provocando grandes prejuízos e perda de vidas.[8]

A precipitação atingiu níveis recorde para o verão. Mais de 217 pessoas morreram, das quais pelo menos 178 na Alemanha (principalmente na região de Ahrweiler), 37 na Bélgica, uma na Itália (balanço provisório) e uma na Áustria,[9][10][11] Mais de 1 300 pessoas foram dadas como desaparecidas na Alemanha.[12]

CausaEditar

Vídeo de satélite da Europa de 8 a 15 de julho

A circulação atmosférica na Europa é caracterizada por um bloqueio ômega que encontra-se acima da Escandinávia desde o início do verão de 2021.[13] Isso desvia os sistemas transientes, mais ao sul.[14] Enquanto o Canadá, a Sibéria e a Escandinávia experimentam um calor extremo no verão, a Europa Ocidental sofre frequentes tempestades de chuva.[13]

O ciclone barotrópico Bernd, assim denominado pela Universidade Livre de Berlim em 10 de julho, surgiu no Atlântico Norte, várias centenas de quilômetros a sudoeste da Islândia.[15] Ganhou força no dia 12 no Reino Unido e atravessou a Europa Ocidental nos dias seguintes.[16]

O movimento lento desse bloqueio favoreceu chuvas intensas e prolongadas, sugando o ar quente e úmido do Mediterrâneo e gerou uma grande área chuvosa do Benelux à Itália, afetando particularmente a Alemanha Ocidental.[14] A chuva desse sistema, dando acumulações da ordem de 100 a 200 mm em uma grande área, foi adicionada às chuvas anteriores.[14] De acordo com o European Severe Weather Database, em 14 de julho precipitações de 154 mm foram registrados em apenas 24 horas em Colônia e de 207 mm em Reifferscheid em nove horas, resultados de um fênomeno meteorológico extremo.[17][18] No dia anterior, havia caído 88,3 mm em Hirschberg e 85,1 mm em Hof.[14] Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), caiu em dois dias o equivalente a dois meses de precipitação.[19]

ConsequênciasEditar

Mapa das áreas afetadas segundo o Centro de Coordenação de Atendimento a Emergências (ERCC)

AlemanhaEditar

Inundação em Hagen, na Alemanha

As inundações afetaram principalmente a Renânia-Palatinado e a Renânia do Norte-Vestfália, matando mais de 100 pessoas.[20] De acordo com o fornecedor de energia Westnetz, cerca de 200 000 lares ficaram privados de eletricidade.[21] Centenas de pessoas foram dadas como desaparecidas no país.[22]

São, em sua maioria, pequenos riachos que transbordaram dos seus leitos, invadindo dezenas de áreas habitadas construídas em várzeas. Por exemplo, em Erftstadt, uma parte da vila desabou como resultado de um deslizamento de terra deixando uma grande cratera.[23] Em Bad Neuenahr-Ahrweiler, várias casas desabaram e 110 pessoas morreram.[24][25] Redes de gás e linhas telefônicas estão inutilizáveis ​​em muitos lugares, centenas de pessoas ficaram desabrigadas.[23] Cerca de 700 habitantes foram evacuados em Wassenburg, perto de Colônia, após o rompimento de uma barragem.[24]

Quase mil soldados foram mobilizados para prestar ajuda as vítimas.[23]

Essas inundações terão um impacto profundo nas próximas eleições parlamentares. Tanto os sociais-democratas como a CDU/CSU afirmaram que devem "fazer de tudo para deter o aquecimento global" e "acelerar as medidas de proteção do clima", respectivamente.[26]

BélgicaEditar

Danos causados pelas enchentes em Pepinster, na Bélgica, em 17 de julho

As inundações ocorreram desde 13 de julho na Bélgica, na região da Valônia, na região da Capital Bruxelas e nas províncias de Limburgo e Brabante Flamengo. Muitos rios transbordaram, como o Mosa, o Vesdre, o Ourthe e o Amblève.

Em 19 de julho, 36 pessoas morreram e 77 estão desaparecidas, além de danos materiais significativos.[27] Quarenta municípios na região da Valônia foram rapidamente reconhecidos em estado de desastre natural. Na província de Liège, as redes de gás e eletricidade sofreram graves perturbações e o abastecimento de água é impróprio para consumo em numerosas regiões.[28]

Enquanto os bombeiros da província de Liège estão sobrecarregados, bombeiros da Itália, norte da França, Países Baixos e Áustria vieram ajudar a evacuar as vítimas de suas casas.

Chuvas forte e trovoadas ao longo da noite de 24 de julho na província de Namur provocaram enchentes.[29] Carros foram arrastados e casas e ruas foram danificadas.[29]

FrançaEditar

O Grande Leste foi afetado por fortes chuvas.[30] As regiões de Hauts-de-France e Bourgogne-Franche-Comté também foram afetadas por inundações locais. De acordo com a Météo-France, entre segunda-feira 12 de julho e sexta-feira 16 de julho, caíram durante 12 horas 199 milímetros de chuva em Châtel-de-Joux (Jura), 160 mm em Plainfaing (Vosges), 159 milímetros em Fied (Jura) e 158 milímetros em Villers-la-Chèvre (Meurthe-et-Moselle).[14].

Municípios como Bar-le-Duc e Arbois foram inundados e os seus moradores foram alertados a ficar em casa. Entre o departamento de Saône-et-Loire e o de Jura, o rios Seille e Brenne atingiram a fase máxima.

ItáliaEditar

O temporal de chuva também atingiu o nordeste da Itália e causou danos às colheitas. Em Trentino-Alto Ádige, uma árvore derrubou e danificou um teleférico e várias estradas foram danificadas, enquanto em Véneto uma pessoa morreu.[31]

LuxemburgoEditar

Inundação em rua residencial em Clausen, no Luxemburgo

Em Luxemburgo, 2.000 pessoas foram evacuadas.[32] Moradores em Mersch, Beringen e Rollingen ficaram sem eletricidade.[33] O acampamento Rosport teve que ser evacuado como uma medida de emergência na manhã de 15 de julho. Seis pessoas se refugiaram no centro cultural Osweiler.

Países BaixosEditar

O centro de Valkenburg inundado após fortes chuvas

O Real Instituto Meteorológico dos Países Baixos emitiu em 14 de julho um alerta vermelho para a província de Limburgo, pois o rio Mosa atingiu um recorde estival de mais de um século e deveria ultrapassar em 15 de julho os recordes estabelecidos em 1993 e 1995.[34] Grande parte do resto dos Países Baixos receberam um alerta amarelo sobre a chuva em 15 de julho.[35] Em 16 de julho, as autoridades deram início a uma evacuação em massa dos moradores e comerciantes de Limburgo e 300 militares foram deslocados para ajudar as vítimas.[36]

A precipitação ultrapassou 100 mm em um dia e 200 mm durante três dias, o que seria um recorde histórico.[37] Como resultado, em 16 de julho, um dique do canal Juliana rompeu, levando à evacuação de várias aldeias de Limburgo.[38] Mais de 10.000 pessoas foram evacuadas em Venlo e em municípios vizinhos durante à noite.[39] O principal hospital de Venlo também foi evacuado como precaução contra as enchentes no Mosa.[40]

Na província de Frísia chuvas fortes e passageiras durante a madrugada do dia 25 de julho provocaram enchentes.[41] Ruas foram inundadas e casas foram danificadas.[41] O Corpo de Bombeiros da Frísia recebeu muitas notificações sobre o incómodo gerado pelas chuvas.[41]

Reino UnidoEditar

Em 12 de julho, partes do país registraram mais do que o total da chuva média mensal no período de 24 horas.[42] Inundações repentinas foram relatadas na região de Kew, em Londres onde caiu 48 mm, o terceiro dia mais chuvoso registrado pela estação meteorológica. Outras regiões de Londres registraram mais de 76 mm de chuva em 90 minutos.[43]

O Corpo de Bombeiros de Londres recebeu mais de 1.000 ligações sobre enchentes, pois muitas pessoas tiveram que sair de suas casas e carros submergiram nas enchentes.[42] A Thames Water recebeu mais de 2.500 ligações sobre transbordamentos de esgoto, dizendo que a precipitação excedeu a capacidade projetada de seu sistema de esgoto. Como as chuvas mais fortes ocorreram perto da maré alta, isso evitou que os esgotos que corriam para o Tames se esvaziassem.[42] As estações de Chalk Farm, Hampstead e Wimbledon também foram fechados devido a enchentes.[42] O serviço também foi reduzido na estação Euston , o terminal londrino da West Coast Main Line e através das redes London Overground e Thameslink.[42] Na noite de 13 de julho, mais de 120 residentes do Royal Borough of Kensington e Chelsea foram levados para acomodações de emergência devido a severidade das inundações.[44]

Em outras partes da Inglaterra, foram relatadas inundações na cidade de Southampton, bloqueando estradas e ferrovias.[44]

SuíçaEditar

Uma quadra de basquete inundada em Yverdon-les-Bains na Suíça

Em 15 de julho, o serviço meteorológico suíço avisou que as inundações no país se agravariam nos próximos dias, potencialmente equivalentes aos níveis da inundação do ano de 2005 e que existia um risco particularmente elevado de inundações. No mesmo dia, o nível da água no Lago Lucerna atingiu seu nível máximo.[45]

Ligação com o aquecimento globalEditar

Segundo Jean-Pascal van Ypersele, estas inundações seriam consequências das mudanças climáticas e deveriam encorajar-nos a descarbonizar as nossas sociedades.[46] Segundo a Météo-France, embora a passagem de uma gota fría sobre a Europa não dependa diretamente dessa mudança climática, como um fenômeno conhecido e documentado há muito tempo, ela amplificou a intensidade das chuvas. De forma mais geral, o aquecimento global piorou a gravidade de eventos meteorológicos notáveis ​​nos últimos anos.[14]

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. «Hochwasser aktuell: Grünen-Politiker kritisiert Auftreten von „Querdenkern" als „schamlos"». Die Welt (em alemão). 22 de julho de 2021. Consultado em 22 de julho de 2021 
  2. «HLN liveblog». HLN (em Dutch). 19 de julho de 2021 
  3. «Maltempo al Nord, danni e una vittima in Veneto. Albero cade su una funivia». Rainews. Consultado em 15 de julhao de 2021. Cópia arquivada em 16 de julho de 2021  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. «Hochwasser in Österreich verlagert sich nach Tirol». Bayerischer Rundfunk (em alemão). 18 de julho de 2021. Consultado em 18 de julho de 2021 
  5. «Inundații grave în Iași. Un bărbat a murit după ce a fost surprins de o viitură» (em Romanian). Digi24. 20 de julho de 2021. Consultado em 22 de julho de 2021 
  6. «Nu ook overstromingen in Beieren en Oostenrijk door extreme regenval» (em neerlandês). NOS. 18 de julho de 2021. Consultado em 18 de julho de 2021 
  7. «Natuurgeweld in Londen treft nu eens niet de arme, maar de rijke wijken» (em neerlandês). De Morgen. 14 de julho de 2021. Consultado em 18 de julho de 2021 
  8. observador.pt (15 de julho de 2021). «Alemanha. 103 mortos e cerca de 1 300 desaparecidos depois de colapso de casas provocado por grandes cheias». Consultado em 16 de julho de 2021 
  9. «Le niveau de la Meuse monte, un bateau de sauvetage chavire dans la Vesdre : suivez la situation en direct». RTBF Info. 15 de julho de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  10. «Inondations en Allemagne: le bilan passe à au moins 42 morts». RTBF Info. 15 de julho de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  11. «Plus de 90 morts et de nombreux disparus après les intempéries en Allemagne et en Belgique». rts.ch. 15 de julho de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 .
  12. «DIRECT. Inondations en Europe : rupture d'une digue aux Pays-Bas, les riverains appelés à quitter le territoire». www.msn.com. Consultado em 16 de julho de 2021 
  13. a b «Waarom het zo regent in Europa». www.msn.com (em neerlandês). FAQT. 16 de julho de 2021. Consultado em 16 de julho de 2021 
  14. a b c d e f «Inondations catastrophiques en Allemagne et Belgique». meteofrance.com. Météo-France. Consultado em 18 de julho de 2021 .
  15. Deutscher Wetterdienst (10 de julho de 2021). «Analyse de surface 10 juillet 2021 00 UTC» (em alemão). Universidade Livre de Berlim. Consultado em 16 de julho de 2021 
  16. Deutscher Wetterdienst (15 de julho de 2021). «Analyse de surface 15 juillet 2021 00 UTC» (em alemão). Universidade Livre de Berlim. Consultado em 16 de julho de 2021 
  17. Schmidt, Nadine; et al. (16 de julho de 2021). «Germany mounts huge rescue effort after floods leave dozens dead and many more missing». CNN (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  18. «Base de données sur les événements météorologiques violents en Europe». European Severe Storms Laboratory. 2021. Consultado em 16 de julho de 2021 
  19. Agence France-Presse (16 de julho de 2021). «Le bilan monte à 103 morts en Allemagne, 118 en Europe». La Presse (em francês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  20. «Mindestens 106 Tote nach Unwetter in Rheinland-Pfalz und NRW - Drei Wohnhäuser in Erftstadt eingestürzt». Frankfurter Rundschau (em alemão). 16 de julho de 2021. Consultado em 16 de julho de 2021 
  21. «Mehrere Tote und etwa 70 Vermisste bei Unwettern» [Plusieurs morts et environ 70 disparus en raison des orages]. Die Zeit (em alemão). 15 de julho de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  22. Agence France-Presse (16 de julho de 2021). «Inondations en Europe : en Belgique, 19 personnes portées disparues, des flots «aux allures de tsunami»». msn.com (em francês). Le Parisien. Consultado em 16 de julho de 2021 
  23. a b c Agence France-Presse (16 de julho de 2021). «Près de 130 morts : l'Europe sous le choc après les inondations». ICI Radio-Canada (em francês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  24. a b Reuters (17 de julho de 2021). «Le bilan des inondations en Allemagne et en Belgique atteint 168 morts». Midi Libre (em francês). Consultado em 17 de julho de 2021 
  25. «On a tout perdu. Mais au moins, il nous reste la vie » : Bad Neuenahr-Ahrweiler, ravagé par les inondations» (em francês). Le Monde. 18 de julho de 2021 
  26. «En Allemagne, les inondations obligent les politiques à prendre le climat « plus au sérieux »». Reporterre (em francês). 16 de julho de 2021 
  27. «Inondations en Belgique : le bilan continue de s'alourdir ce dimanche, on déplore désormais 35 décès et 163 personnes portées disparues». RTBF Info (em francês). 18 de julho de 2021. Consultado em 18 de julho de 2021 
  28. Libert, Mikaël (15 de julho de 2021). «Inondations en Belgique : Huit morts et une partie de la ville de Liège en cours d'évacuation». 20minutes.fr. Consultado em 15 de julho de 2021 
  29. a b «Opnieuw wateroverlast in België: 'Het was kort, maar bijzonder gewelddadig'» (em neerlandês). NOS. 25 de julho de 2021. Consultado em 25 de julho de 2021 
  30. «les images impressionnantes des inondations vues par les habitants». actu.fr (em francês). 16 de julho de 2021. Consultado em 16 de julho de 2021 
  31. «Maltempo al Nord, danni e una vittima in Veneto. Albero cade su una funivia». Rai News 24 (em italiano). 14 de julho de 2021. Consultado em 19 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de julho de 2021 
  32. Zuzanna Reda-Jakima; Heledd Pritchard (15 de julho de 2021). «Floods to last as thousands forced out of homes». Luxembourg Times (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de julho de 2021 
  33. «Bettel und Bofferding treten vor die Presse». L'essentiel (em alemão). 15 de julho de 2021. Consultado em 19 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de julho de 2021 .
  34. «Maas river keeps rising, death toll increases in Germany, Belgium». Dutch News (em inglês). 15 de julho de 2021. Consultado em 19 de julho de 2021 
  35. «Heavy rains leave Limburg flooded; Some showers expected today». Algemeen Nederlands Persbureau (em inglês). 15 de julho de 2021. Consultado em 19 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de julho de 2021 
  36. «Militaire steunverlening breidt zich verder uit over Limburg» (em neerlandês). Ministério da Defesa dos Países Baixos. Consultado em 16 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de julho de 2021 
  37. «Sirens warn as dyke is breached in Limburg, flooding widespread». Dutch News (em inglês). 16 de julho de 2021. Consultado em 19 de julho de 2021 
  38. «Notstand ausgerufen: Tausende Menschen in den Niederlanden fliehen vor Hochwasser». FAZ.NET (em alemão). 16 de julho de 2021. Consultado em 19 de julho de 2021 
  39. Hubers, Arthur (16 de julho de 2021). «Venlo begint evacuatie laaggelegen delen». 1Limburg. Nieuws en sport uit Limburg (em neerlandês). Consultado em 19 de julho de 2021 
  40. «Evacuatie ziekenhuis Venlo: 'Ergste wat ons kan overkomen ...'» (em neerlandês). RTL Nieuws. 16 de julho de 2021. Consultado em 21 de julho de 2021 
  41. a b c «Stortbuien leiden tot wateroverlast in Friesland» (em neerlandês). NOS. 25 de julho de 2021. Consultado em 25 de julho de 2021 
  42. a b c d e «Flash floods: Parts of London receive a month of rain in one day». BBC News (em inglês). 14 de julho de 2021. Consultado em 16 de julho de 2021 
  43. Hill, Amelia (13 de julho de 2021). «London floods: 'We had water gushing at us from all angles'». The Guardian (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  44. a b Kwai, Isabella (14 de julho de 2021). «Fierce Storm Inundates London, Causing Flash Flooding». The New York Times (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  45. swissinfo.ch (15 de julho de 2021). «Central Switzerland braces itself for another 'flood of the century'». Keystone-SDA/ts (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  46. Reporterre (17 de julho de 2021). «Inondations meurtrières : l'Europe sous le choc du changement climatique» (em francês)